quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Padre Fred Solon morre aos 78 anos

Padre Fred Solon Sacerdote Jesuíta morre em Joaquim Pires, última paróquia onde servia a Deus e a Igreja.

A escolha pela vida religiosa foi aos 26 anos de idade, em Fortaleza.

Os estudos começaram com os jesuítas, em São Paulo. A ordenação como padre foi em Buenos Aires, na Argentina, em 1966. De lá, os estudos seguiram para Paris, capital da França. Lá, engajou-se no apoio aos emigrantes e exilados da ditadura brasileira. Eram os anos de chumbo. “Acompanhávamos os populares que vinham, mas já passou. Agora, é olhar para frente”, afirmou.

Enquanto se aperfeiçoava nos estudos, Padre Fred percorreu o mundo. Foram 53 países. Para cada lugar, levava solidariedade aos excluídos e foi assim também na volta ao Brasil. “O trabalho que eu fiz aqui, que eu mais me orgulho, foi no Jangurussu. Até hoje, lá tem um fundo de apoio comunitário”, informou.

Nos anos 70, Padre Fred teve uma passagem marcante por Fortaleza. No antigo matadouro do Jangurussu, ele acolheu famílias de catadores de lixo e passou a cuidar das crianças. “Ao longo dos anos, as coisas foram acontecendo e tudo foi dando certo. Com dificuldade, mas sempre com muito amor”, comentou a diretora da escola Fátima Dolores.

O chamado fundo comunitário atende hoje 180 crianças por dia. As menores ficam na creche. As maiores recebem reforço escolar, participam de oficinas de arte-educação, da catequese e das atividades esportivas. O karatê é o mais procurado. “É muito bom, porque a gente aprende a se defender dos outros”, disse Adriano Batista, de 13 anos.

Na época da criação do fundo comunitário, Padre Fred era pároco da Igreja do Cristo Rei, no centro da cidade, lugar que ele sempre visita quando está na capital cearense. Na sacristia, um momento de reencontro com o amigo de juventude. “Isso é uma maravilha. Ele semeou pelo mundo o amor de Deus”, elogiou um amigo.

Em 1981, mais um roteiro de viagem na vida do Padre Fred. Ele foi morar no Recife, onde ganhou até o título de cidadão pernambucano. Hoje, aos 67 anos de idade, continua com a mesma disposição para fazer o bem, sem perder o bom humor, e está conectado com os novos desafios do mundo, como o combate às drogas: “Não adianta só a repreensão, mas educar. O jovem tem que saber de tudo, mas não experimentar tudo”. A fé em Deus: “Deus tem dois grandes defeitos: ele não tem memória. Quando perdoa, ele esquece, não quer mais nem saber. E como todos que amam muito, é fraco”. E o Troféu Sereia de Ouro: “Uma homenagem que eu vejo ao sacerdócio geral. Uma homenagem que eu aceito humildemente. Isso me obriga a ser mais generoso do que sou agora, melhor do que sou agora, mais dedicado a todo mundo”.

Nesta terça-feira, 17 de novembro, deste ano Padre Fred termina sua caminha na terra e faz sua Páscoa. Todos somos convidados a participar da Missa de 7º dia que será celebrada na Igreja Matriz de Santa Dorotéia, em Joaquim Pires, nesta terça feira, às 17:00h.

Rezemos pela alma deste sacerdote que muito se dedicou a Deus e a sua Igreja.

Ver: http://tvverdesmares.com.br/cetv1aedicao/padre-e-homenageado-com-trofeu/

Fonte: Diocese de Parnaiba


Reações: 
Share This

0 comentários: